Construindo o Grande ABC supera expectativas e propõe alternativas técnicas e otimistas para o setor

Público presente elogiou o alto nível técnico das apresentações





Baixe as apresentações

Encontro Secovi do Mercado Imobiliário do Grande ABC - Flávio Amary [DOWNLOAD]
Precificação de imóveis: a evolução dos preços no mercado do Grande ABC - Eduardo Schaeffer [DOWNLOAD]
Desafios na implementação de normas ABNT na construção civil, dentre elas a de desempenho - Ronaldo Sá [DOWNLOAD]






O otimismo, frente aos desafios que passa o Mercado Imobiliário Regional na atualidade, foi o destaque dos debates da 3ª edição do congresso “Construindo o Grande ABC”. Promovido pela Associação dos Construtores do Grande ABC (ACIGABC), o evento reuniu cerca de 200 convidados entre empresários, representantes de entidades, autoridades municipais e líderes do setor imobiliário. O congresso ocorreu no dia 22 de outubro, no Instituto Mauá de Tecnologia, em São Caetano do Sul.

De acordo com o presidente da ACIGABC, Milton Bigucci: “Mais do que nunca este é um momento de otimismo, de reanalisarmos o mercado e propormos soluções, focando nas oportunidades e nada melhor do que um congresso como este, com excelente nível técnico que apresentou, para fomentarmos o conhecimento do setor.”




O vice-presidente do Interior do Secovi, Flávio Amary, fez a primeira palestra do congresso, apresentando um panorama detalhado do setor no Brasil, passando pela Região Metropolitana de São Paulo e focando na força do Grande ABC. Amary destacou que passamos por uma fase cíclica no mercado, agora em crise, mas que em pouco tempo o crescimento será retomado. “Aqueles que se prepararem melhor neste momento, terão mais sucesso na frente. São nos momentos difíceis que a gente consegue encontrar boas soluções e realizar grandes negócios”, afirmou. Amary também pontuou que a Região do Grande ABC está indo na contramão da Região Metropolitana de São Paulo e do país, que têm apresentado queda acentuada nas vendas, frente aos lançamentos. “A boa notícia para o ABC é que há um equilíbrio melhor entre lançamentos (22.695 unidades) e vendas (25.707 unidades) e baixa nos estoques, nos últimos 4 anos, o que é muito importante para manter a saúde do mercado e os preços dos imóveis na região”. O vice-presidente do Interior do Secovi/SP também ressaltou a grande demanda por imóveis que ainda existe: “Se compararmos o déficit habitacional, os casamentos e a demanda natural por imóveis, precisaremos fazer 1 milhão de novos imóveis todo ano só para atender a demanda vegetativa e o déficit habitacional”.


O CEO do ZAP Imóveis, Eduardo Schaeffer, apresentou como é a metodologia do índice Fipe Zap utilizado para demonstrar a média de preço de imóveis no mercado, destacando a região. Ele explicou que o índice se refere exclusivamente a apartamentos residenciais usados. “Ainda estamos estudando o índice de preços de imóveis residenciais novos, que ainda não foi lançado pela complexidade que é e pelo momento atual do mercado, mas é algo que está em andamento”. A ACIGABC fez um pedido para que o ZAP Imóveis cite claramente que os índices se referem aos apartamentos usados para que os preços fiquem mais claros na cabeça do cliente, evitando confusão, cujos preços são bem diferentes. O CEO do ZAP Imóveis elogiou a sugestão e se comprometeu a colocá-la em prática. Schaeffer finalizou seguindo o tom de otimismo do evento: “Sou também extremamente otimista do quanto a gente pode aproveitar a crise para crescer”, destacou.




As implicações das Operações Urbanas Consorciadas (OUC) no índice de potencial construtivo e na mobilidade urbana da Região foram debatidas por representantes das Prefeituras do ABCD no painel “Infraestrutura: o futuro das cidades do Grande ABC”. Mediado por Aparecido Viana, empresário do segmento imobiliário de São Caetano do Sul, o painel contou com a participação da diretora de Obras Particulares da Prefeitura de São Bernardo, Alexandra Jonathas, do chefe de divisão na Secretaria de Habitação e Desenvolvimento Urbano de Diadema, Paulo Barbosa, e do secretário de Desenvolvimento Econômico e Relações do Trabalho de São Caetano do Sul, Francisco Antônio Soeltl.

Paulo Barbosa, da Secretaria de Habitação e Desenvolvimento Urbano de Diadema, representando o prefeito Lauro Michels, destacou a importância de eventos como o “Construindo o Grande ABC” para estimular um desenvolvimento saudável das cidades da região e afirmou que a ACIGABC será bem-vinda nas futuras discussões envolvendo o Plano Diretor de Diadema, dada sua representavidade do mercado imobiliário da região.<


O evento trouxe ainda um workshop técnico, onde Ronaldo Sá, diretor da Imóvel em Ordem e da RSO Assessoria, abordou os desafios na implementação de normas ABNT na construção civil, dentre elas a de desempenho. Ronaldo passou importantes informações sobre como as empresas devem estar atentas às centenas de normatizações a fim de executarem seus projetos obedecendo a todas as legislações.

Na sequência, Walter Freitas, da empresa Level Group, abordou o tema “Oportunidades e riscos da Terceirização”, onde mostrou que os tomadores de serviços terceirizados devem estar atentos a princípios importantes para evitar riscos e passivos trabalhistas.


Para finalizar o dia de bastante aprendizado, uma das palestras mais aguardadas contou com total atenção do público que se manteve em peso até o último minuto. Fernando Magesty, consultor da vice-presidência de Habitação da Caixa Econômica Federal, falou sobre alternativas em crédito e financiamento imobiliário apresentando dados que mostram que, independente do período de ajuste pelo qual passa a economia – e com ela o mercado imobiliário –, existe uma grande demanda por habitação que deve ser atendida. “O site da Caixa continua apresentando números altíssimos de simulações de financiamento imobiliário realizadas diariamente, o que mostra que o interesse por imóvel não diminuiu, muito pelo contrário, e esta demanda está sendo represada e assim que houver a retomada, as empresas precisarão estar preparadas para atendê-la”, afirmou. Fernando Magesty reforçou, ainda, o papel da Caixa como grande fomentadora do mercado imobiliário brasileiro: “A política habitacional continua na parte prioritária do Governo e da Caixa. O nosso esforço é total em promover alternativas de funding para continuar incentivando o crédito imobiliário no país. Além disso estamos investindo em novas tecnologias para simplificar o processo de transação de contratação do financiamento, reduzindo o tempo de registro no ato da venda do imóvel, beneficiando a todos os agentes que participam do mercado”. Confirmando esta orientação, Magesty adiantou que novidades deverão ser anunciadas nos próximos dias referente ao programa Minha Casa Minha Vida e novos aportes financeiros para o crédito imobiliário.




Otimismo e busca de soluções. Com este sentimento os participantes saíram da edição 2015 do Construindo o Grande ABC, preparados para por em prática todo o conhecimento adquirido e ansiosos à espera da próxima edição. O evento foi uma realização da ACIGABC (Associação dos Construtores, Imobiliárias e Administradoras do Grande ABC), com copatrocínio da Itelligence Group, Gerdau, ZAP Imóveis e Five Star, apoio do Secovi-SP, Instituto Mauá de Tecnologia, Esteves Metais e C&C Casa & Construção, apoio de mídia do Portal VGV, Editora Pini e ABC Imóvel.